-

livrando-se da negatividade


Vivemos em uma época em que abrir um jornal ou acessar um site de notícias tornou-se uma tarefa que exige extrema cautela. Sempre que resolvo me inteirar do que está acontecendo com o mundo, fico me questionando se realmente estou preparada para o que está por vir.

A verdade é que nada pode me preparar para a avalanche de negatividade na qual me encontro soterrada diariamente. Cada uma das minhas atividades precisa ser meticulosamente programada para que eu não me afunde ainda mais num poço de desesperança. Ver televisão? Melhor evitar o noticiário. Entrar num portal de notícias? Está na hora de colocar a cegueira seletiva em prática. Redes sociais? Só após meia hora de meditação, uma limpeza energética e pelo menos, vinte ave marias.

É triste constatar que vivemos em uma partida de campo minado, nos escondendo nas laterais e rezando para não encontrar uma bomba pelo caminho.

Mas será que é possível escapar do inferno que tornou-se coexistir com líderes megalomaníacos, violência desenfreada e aquele coleguinha que insiste em compartilhar os detalhes minuciosos de todas as desgraças que ocorrem em sua vida pessoal? Como balancear a sua saúde mental com a necessidade de manter-se informado sobre os últimos acontecimentos? Cadê a fórmula mágica para viver uma vida cheia de positividade e cercar-se apenas de boas vibes?

Bem, se eu tivesse uma resposta direta para as perguntas acima, certamente já estaria aplicando-a em minha rotina. O que eu tenho para oferecer são algumas dicas do que fazer quando o mundo parece ser too much e a negatividade começa a lhe afetar diretamente.

como me sinto quando estou fugindo da negatividade do mundo

CULTIVE OS BONS MOMENTOS
Recentemente, descobri o porquê de me sentir tão abalada com qualquer acontecimento levemente desfavorável. Você já ouviu falar do viés da negatividade? Por motivos evolutivos, nós temos uma tendência a dar maior atenção para eventos e informações negativas.

Quer um exemplo de como isso funciona? Ao longo de sua vida, você já deve ter recebido uma centena de elogios, porém, tenho certeza que se lembra de poucos. Mas se eu te pedir para lembrar de alguma crítica que já lhe fizeram, você conseguirá imediatamente recordar-se de todos os detalhes dolorosos. Nós possuímos uma propensão a nos deixar influenciar pela negatividade.

Com isso mente, tente cultivar o positivo com mais frequência. Guarde aquele e-mail com um elogio ao seu trabalho. Favorite os vídeos de cachorrinhos fofos. Mantenha um diário da gratidão. Compartilhe somente boas notícias no Facebook. Derrote o viés negativo!

ESTEJA PRESENTE
Muitas vezes, percebo que estou em uma rede social, sem nenhum motivo especial, apenas consumindo conteúdo negativo passivamente. O truque aqui é passar a fazer suas atividades intencionalmente e não automaticamente.
Se você pretende passar alguns minutos no Twitter, Tumblr ou Facebook, reserve tempo para tal, esteja ciente que a vibe nem sempre será das melhores e o mais importante, saiba quando é a hora de se desconectar.

CONVERSE COM ALGUÉM
Costumo evitar assuntos delicados, pois sei que abordá-los fará com que eu chore descontroladamente. Desde a infância somos condicionados a acreditar que o choro é nocivo, vergonhoso e um ato a ser reprimido a todo custo.

Estou lentamente aprendendo a importância de chorar como válvula de escape saudável e a falar abertamente do que me incomoda. Procure alguém com que você sinta-se confortável (um amigo ou terapeuta) e coloque pra fora o que está te perturbando.

Não tenha medo de pedir ajuda, parecer frágil ou abordar certos tópicos. Todo mundo se beneficiaria se começássemos a falar um pouco mais sobre nossos medos e anseios.

CORTE A TOXICIDADE DA SUA VIDA
Por mais que, de uma forma ou de outra, não possamos evitar más notícias, ainda podemos tomar atitudes em menor escala para evitar que a negatividade tome conte de nossas vidas. Recentemente, compreendi que não faz sentido manter pessoas tóxicas em minha vida.

Um estudo realizado na Universidade de Harvard, concluiu que a felicidade e a tristeza espalham-se tal como uma doença contagiosa. Isso fez com que eu me perguntasse, qual era o valor de manter relacionamentos e amizades cuja única função parecia ser me levar ainda mais pra baixo?

Me afastei de algumas pessoas, abusei de funções como o mute e soneca nas redes sociais e sinto que estou um pouquinho mais leve.

Essa dica também vale para pessoas que você nem conhece. Todo mundo tem aquela celebridade cuja vida acompanhamos como uma forma de hate-watch. Liberte-se disso! Tem tanta gente bacana por aí, fazendo coisas legais e espalhando felicidade, não deixe que seu foco seja em quem é tóxico e desnecessário.

TOME UMA ATITUDE
Muitas vezes, o sentimento de impotência causado pela negatividade é tão pesado que não conseguimos enxergar uma solução viável para esse mundão. Creio que o problema é estarmos focados demais no todo e acabamos nos esquecendo das pequenas coisas que podemos fazer para o bem do coletivo.

Me peguei pensando o quanto queria poder fazer mais para ajudar outras pessoas. O dinheiro anda curto, a vida anda meio atribulada e quase não sobra tempo para nada. O que me esqueço é que existem coisas tão pequenas que posso fazer no meu dia a dia e que realmente podem causar uma mudança positiva na vida de alguém.

Ceda seu lugar no transporte público para uma pessoa que precisa mais. Procure vaquinhas online e doe para o tratamento médico de alguém ou uma causa que você acredita. Ajude sua família ou um amigo nos afazeres domésticos. Compre comida para animais de rua. Seja o mentor de alguém no seu trabalho. Dê aulas de reforço para os colegas que precisam. Não compartilhe negatividade em suas redes sociais.

Agora eu quero saber: Como você lida com a negatividade em seu dia a dia? Compartilhe suas dicas nos comentários!

Imagens: Xavier Sotomayor e Giphy
Mia Fernandes

música: reputation



Existe uma lista de entretenimento a qual sempre recorro quando me sinto triste e preciso de um abracinho em forma de arte. A discografia da Taylor Swift é sempre uma escolha certeira quando preciso de música que me conforte e levante meu astral simultaneamente.

Quando me sinto nostálgica, querendo voltar para a minha adolescência e reviver todos os momentos preciosos, geralmente estou ouvindo o Taylor Swift. Para quando preciso de coragem para enfrentar os problemas, o Fearless é o CD que escuto. O Speak Now deixo para as noites em que o mundo parece pequeno demais para tudo que ainda quero viver. O Red me acompanhou em inúmeras decepções amorosas. Já o 1989 seria a trilha sonora perfeita se minha vida fosse um filme.

Por fim, vem o Reputation. O álbum que me faz querer voltar no tempo, me dá coragem, faz com que eu anseie por novas experiências, acalenta meu coração partido e parece encaixar-se perfeitamente bem no momento que estou vivendo.

Ainda não sei se é muito cedo para declarar que o TS6 é o meu álbum favorito da Taylor, porém, não tenho como negar a sintonia dessa fase com minha vida e o quanto o Rep é exatamente o CD que parece perfeito para qualquer período da minha história.

Para celebrar esse masterpiece, preparei a minha já tradicional lista de covers para que vocês possam curtir o CD de uma maneira diferente. Olha só:

...Ready For It? - Halocene
 

End Game - Rhea Raj


I Did Something Bad - Shoshana Bean and Cynthia Erivo


Don't Blame Me - Heather Cole, Maddy Newton, & Meaux


Delicate - Sam Tsui & Vidya Vox


Look What You Made Me Do - J.Fla



So It Goes... - Lauren Bonnell


Gorgeous - MVTCHES ft. Catherine McGrath



Getaway Car - Marie Miller ft. Kenny Kohlhaas


King Of My Heart - Josslyn Jing


Dancing With Our Hands Tied - Albie Toro


Dress - Yaniza


This is Why We Can't Have Nice Things - Camille Peruto & Mackenzie Johnson


Call It What You Want - Tyler Ward & Nikki Phillippi


New Year's Day - Travis Atreo


E aí, qual cover você curtiu mais? Me conte tudo nos comentários!
Mia Fernandes

por onde andei




Eu hesitei muito antes de iniciar esse texto. Deveria começar com um pedido de desculpas pelo sumiço ou simplesmente fingir que nada aconteceu? Como poderia condensar tudo o que aconteceu em minha vida nos últimos oito meses em que estive ausente? Tenho tantas novidades para compartilhar e, ao mesmo tempo, sinto que absolutamente nada mudou.

Logo no início do ano, comemorei meus 365 dias de sobriedade. De todos os meus feitos, sinto que esse é o mais significativo. Já não sinto mais a necessidade de utilizar o álcool como "lubrificante social". É como se eu finalmente houvesse encontrado minha identidade além da bebida. Agora, com mais de 500 dias sem beber nenhuma gota, sinto uma paz que nunca havia sentido antes.

Sei que foi graças à essa paz de espírito que tomei outra decisão importante. Depois de muito repensar o meu futuro profissional, fiz a matrícula no curso de Psicologia. Isso é algo que venho querendo desde os meus vinte anos de idade. Sempre tive interesse pela profissão, porém, parecia que a minha vida só me levava cada vez para mais longe desse sonho.

Resolvi aproveitar a estabilidade da minha fase atual para começar a faculdade. Ainda nem acredito que embarquei em um curso de cinco anos de duração. Aí, quando dei por mim, já completei um semestre e só me restam quatro anos e meio para me tornar uma psicóloga.

Para completar, fiz 30 anos de idade em Fevereiro. Odeio soar piegas, porém, sou muito grata por ter chegado até aqui, pelos meus erros, acertos e tudo mais que me levaram a ser quem sou.

Tenho muitas expectativas para essa nova década da minha vida e espero poder usar a sabedoria que adquiri nos últimos anos para continuar fazendo mudanças significativas na minha vida. A única coisa que não quero mudar é o Conversas Imaginárias, esse meu cantinho onde venho registrando minha vida desde 2013.

E quanto a isso, eu só tenho o seguinte a declarar:



Imagem: Alexandr Bormotin
Mia Fernandes